Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Ora vamos lá ver...

por parasergrandeseinteiro, em 13.11.13

Atraso-me a publicar os tesourinhos, que vou encontrando e quero registar, e depois vai tudo em catadupa.


1- Vista brutal de uma varanda (Sim varanda!!! Aqui em HK quase não há varandas!) de um apartamento:


Num jantar com comida deliciosa, pessoas alegres, um bom vinho... Esta vista até deu colo!

Sai Wan Ho, Hong Kong

 Sai Wan Ho, Hong Kong

 

Passe o tempo que passar, a vista que HK oferece é sempre maravilhosa e impressionante.

Mesmo quem cá vive há muitos anos admite que continua a apreciar a vista (de várias perspectivas) que esta cidade tem!

 

2 - Uma sobremesa chinesa "fofi": 

Está engraçado Sim Sra.! Mas se eu conseguisse descrever o alarido que foi quando os porquinhos chegaram à mesa! Meu Deus! Tanto gritinho e gemido de excitação que só me apetecia mandar um GRITO de ordem!

Chinesinhas... Façam só um bocadinho menos de barulho. Pode ser???


3-Casual Friday: À vontade não e à vontadinha!!!

À sexta-feira o código de vestuário vigente permite ir para a empresa vestido de uma forma mais casual.

O pessoal abusa! Casual pode incluir T-shirts de futebol e fatos de treino... pois! pelos vistos, Pode!


4- Não há cá misérias!

Que maçada! Comprei 4 (Sim QUATRO!!!) MACs e agora tenho que esperar por um táxi para ir para casa!


5 - Pega na sacola, põe às costas e faz-se ao caminho!

E não pia!!! A criança lá ia "na maior"!


6- HappyDeepWali!

Happy Deepawali 

Presente de uns queridos amigos, Festa das Luzes da religião Hindu!


7- Já começa o martírio!!!

Para o Natal eu desejo (apenas) Saúde, Sorte e Sucesso na vida... E já que estou a ser "lambona": DEIXAR DE GOSTAR (tanto) De CHOCOLATE!


8- Em HK vê-se muitas senhoras com trabalhos de esforco:

Confesso que às vezes me da alguma misericórdia.

Porque, se por um lado se pratica (dizem!) a cultura de a mulher tentar arranjar homem "branco" para ter uma boa vida, muitas há que se esforçam fisicamente por um prato na mesa... O meu respeito!

publicado às 07:19

A Sra. da fruta

por parasergrandeseinteiro, em 08.11.13

Faço aquele caminho quase todos os dias.

Gosto muito de observar aquela rua a acordar, enquanto eu caminho pela minha rotina. Apanho o eléctrico numa rua mais à frente.

Apaixona-me a sua dinâmica. É diferente consoante o período do dia. Já conheço as suas  personagens principais e vou imaginando histórias para algumas delas.

Olho de esguelha e fico presa ali…

A forma como aquela senhora, de (descom)postura marcada pelo esforço diário que o seu ofício requer, encara chama-me a atenção. Todos os dias entre as 8:00 e as 8:30 da manha lá esta a montar a banca!

Forra-a de flores e com algumas frutas e sempre da mesma forma.

Faz uso de umas caixas bem usadas, muitas já não estão completas e alguma têm a madeira apodrecida, mais uns caixotes maiores, ferros “descasados”… Agarra-se aquilo e não vê mais nada!

 

Já lhe arranquei um sorriso, vi-lhe os poucos dentes que tem e estão mal tratados… queria agarrar-lhe o olhar, mas ela não deixa!

Adoro aquela rua, gosto de ir e voltar por lá. Um recanto sem carros cheio de comércio local, para mim é sem duvida um dos encantos de HK: tão tecnológica e ao mesmo tempo tão tradicional.

 

Senhora de olhos fundos e cansados, eu gosto de si!

publicado às 08:36

Momentos que ficam (aqui dentro)

por parasergrandeseinteiro, em 05.11.13

Nesse dia não tinha recebido uma grande noticia. Pareceu-me assim nessa altura.

Queria (mais uma vez) aquele chão seguro e robusto debaixo dos meus pés!

O que se faz sem “certezas” e previsões…? (ui tanta coisa! e também se come e toma banho).

 

Era o final de um dia de trabalho, esperava no portão para embarcar e ocorriam-me milhares de pensamentos, questões...

 

Iria voltar a uma cidade que tinha ficado a “meio”, tínhamos mais para viver do que a primeira vez nos permitiu.

Isso agradava-me, mas confesso que ia desejosa por te ver.

Cresceu aquela emoção e sentimento, mal podia sentir o “mote” para ao avistar-te "fazer a chamada" e acelerar o passo e correr para esses braços.

 

Entrei num paraíso.

Descansei a alma como nunca… 

Vi as cores mais vivas de muito tempo, voltei a cheirar delicias e horrores tao contrastantes e característicos desta cidade.

Recebi e dei muitos sorrisos.

Sentia-me leve, as minhas pernas seguiam a minha curiosidade.

Caminhei até sentir gastar as solas dos sapatos, adormeci no teu ombro na viagem doce e interminável de barco. Fui bem massajada por abençoadas mãos de quem sabe (como adoro aquela forca).

 

Conversei muito (o que adoro falar!), mas vivi pacíficos silencios… Cada vez os aprecio mais.

Chinelo no pé, um trapinho confortável, boa energia, um olhar doce ao meu alcance e dias inteiros pela frente. Um paraíso gerou-se, assim!

 

Consegui isolar aqueles momentos cheios e completos, senti amor pela vida de uma forma tão genuína. Eu estava ali!

Digo com vaidade: Eu sou assim! (sempre que consigo!)

 

Banguecoque, Tailândia. Setembro de 2013

publicado às 09:00

o (DES)apego

por parasergrandeseinteiro, em 02.11.13

 

Adoro proteger-me com o meu sentido de humor.

Talvez seja só isso mesmo, uma defesa. Mas já me ri muito com o que me faz chorar.

Ah! E rio-me de mim com muita frequência. Não me considero uma ”palhaça” mas acho-me piada.

 

Costumo dizer que por vezes a vida parece os “100m barreira”, mas eu não salto nem uma e PUMBA lá vai mais uma queda e de boca… Caramba! E às vezes aleija.

 

Um dos meus maiores desafios de vida (sem duvida!) é perceber o que é isso do ”apego”?

 

A primeira vez que me vi de frente com esta questão, foi há cerca (sensivelmente mais) de um ano por uma Senhora que muito me ensinou, e mais admiro ainda, que me deixou esta questão no ar! Desde então tenho refletido muito sobre o assunto! 

O apego. É complexo! Tem ramificações e complexidades pouco claras, sendo difíceis de decifrar… (Eu tenho “dissecado” o assunto aqui dentro lentamente). Tinha uma ideia mas só me apercebi da real dimensão das suas ramificações quando me meti ao caminho.

 

O apego cria-se com pessoas, animais, crenças, sentimentos, locais, memórias…

Pode-se manifestar de forma saudável, leve, tranquila, livre. Ou é facilmente transformado em algo sombrio, viciante, pesado, doloroso, tóxico…

O apego é um laço. Uma conexão. Um vínculo.

 

Ligações que provocam uma determinada emoção.

Uma necessidade (por vezes desesperada) que essa ligação permaneça para que essa emoção se perpetue.

Quando provamos, gostamos e queremos mais.

Quando associamos o sentir a algo.

Quando esse sentimento passa a ser um substantivo, um nome, qualquer coisa. Neste sentido é dependência.

É um gatilho!

 

Mas a verdadeira armadilha reside neste pormenor. De tão bem nos sentirmos, começamos a pensar: Ter é bom. Não ter é mau.

A posse, o desespero da privação, o medo da falta…

Aí Já não há amor, mas apego. O apego estraga… mata relações.

O apego é egoísta e destrutivo.

 

Infelizmente, com mais frequência que o desejável, associa-se o gostar ao apego: “preciso de ti”! Sentindo que o apego é recíproco, combate-se a solidão, sente-se a aprovação, validação e até a aceitação. …”O casulo. O veneno partilhado. A vampirização mútua. A cobrança.”

 

O amor verdadeiro é livre, não cobra. Quase utópico…

 

Sendo difícil de atingir este estadio, abordo o amor como… uma relação que estabeleço com o que recebo. Um negócio delicado!

Apaixono-me pelo que me oferecem, e aí há espaço para tudo: Para admirar uma boa pessoa para os outros e para nós, o saber dar e receber, o brilho dos olhos que me dirige, o “nós” ao invés do “eu”. Se isso se dissipar, esvair ou for um engano… o objeto do amor desaparece.

 

Praticar o desapego é, neste sentido, libertador.

Valorizar os verdadeiros sentimentos, não possuindo, viver a experiência do agora.

É dizer “quero que sejas feliz”, “quero dar-te”, “quero que sejas livre e voes”. É partilhar, fazer crescer. É ser incondicional. É amar a pessoa tal como a encontrei, sem a tentar mudar ou modificar.

 

Eu pretendo aprender o ”desapego” para sempre e não só agora.

 

Baseado num texto de David Nascimento

publicado às 15:34

Bom dia HK!

por parasergrandeseinteiro, em 31.10.13

BOM DIA!!!

 

Adoro manhãs:

- Quando durmo bem;

- Porque tenho oportunidade de andar a pé para o trabalho e o tempo está convidativo;

- e porque adoro começar o dia da melhor forma e com energia!

 

Aqui em HK, como ninguém me percebe (português), ando a desenvolver um hábito que me dá bastante prazer! Cantar... Atenção que canto mal "para caramba". Mas adoro quando me lançam aquele sorriso que transmite: És estranha mas gosto da tua energia!

 

Canto na rua, músicas portuguesas normalmente: Simone, Carlos do Carmo, e outros que não confesso :)

Esquisitos somos todos aqui!!! Cada um a sua forma e a minha hoje foi assim:

 

Toma lá:

Tonicha - Zumba na caneca!!! 

E lá ia eu, ora Zumba na caneca, Catrapumba e aos saltinhos....

publicado às 09:24

Gosto de saber...

por parasergrandeseinteiro, em 22.10.13

  

Tenho sido desafiada pelas regras deste "jogo".

 

Há meia dúzia de dias virei as costas a esta batalha, dei esta guerra como vencida. Verguei-me a isto, apeteceu acobardar-me. E que ninguém ouse dizer que não é assim!

Eu já senti muito sem desistir, aceitei sem porque's e agora... levei o golpe baixo, aquele que nos leva ao tapete.

Afinal de contas, qual é o limite?

 

Quis ir ao fundinho do buraco. Às vezes faz bem.

Cansei-me de ver sempre o lado positivo das coisas. Andar no escuro e fazer de conta que a vida é colorida só porque acredito que vai ser...

 Nesta ultima facada EU QUIS desistir! Foi por momentos mas precisei que fosse assim.

 

Gosto de saber:

A tua mão agarrou-me e contrariou-me a direcção, o teu abraço disse-me para ter calma, os teus olhos dão-me um espaço confortável para estar, chorar ou ate sorrir para ti.

 

As más atitudes são de quem as toma, mas rasgam o coração...

Não era preciso ser assim. E não tem que ser assim!

O mau trato por cobardia, falta de fiabilidade, egoísmo, infantilidade (eu sei lá de onde vem tamanho desastre) não chegam para eu perceber a "pancada seca e certeira" que me derrubou.

 

Lealdade! Elejo a Lealdade como o mais nobre dos princípios.

 

Gosto de saber:

Que o teu braço firme existe. Não por mim, ou só por mim, mas porque me vês para alem deste "espalho".

Tu sabes que acredito no bem, e reforças-me os meus pilares... e como preciso disso!

Fazer bem é sempre mais difícil, mas é assim que se faz. E vale sempre a pena fazer o melhor! 

 

Gosto de saber:

Que ainda há muito para eu admirar e acreditar.

 

 

Gosto de saber:

Os teus olhos confiam que eu devagarinho ganho o brilho da esperança que me caracteriza.

Eu tenho a certeza, porque eu quero isso.

 

Eu nasci para acordar a sorrir, para dar e receber abraços sinceros, para viver na verdade. 

Chorar e rir na medida certa...

Destruirmo-nos uns aos outros "não vale"! 

 

Gosto de saber:

Que, se por acaso tive a pouca sorte de me enganar muito no passado, hoje tenho ainda mais a certeza que tenho a sorte de ser como sou

...e Gosto de saber:

Que ainda há braços e abraços que seguram como os teus. Eu cai, mas não me "aleijei".

 

Tudo agora faz sentido, e questões não restam mais.

Foi da pior forma, mas assim se fechou um ciclo. Definitivamente!

Gosto muito de o saber!

publicado às 09:56

Um sábado... doce e perfeito

por parasergrandeseinteiro, em 20.10.13

Sai Kung, a minha primeira visita (de muitas, suspeito).

 

 (Daqui)

Respirar em concorrência com a natureza densa, seguir trilhos delimitados por raízes antigas, podados pela mão humana, com restos de escadas partidas e já gastas. Caminhos irregulares de lajes mal enjorcadas.

 

Como me descreveram ontem, entramos num jogo cerebral estimulante que nos alheia de "ancoras" do dia-a-dia “Um pé ali, outro aqui. Boa! Salta, Cuidado ali. Olha a pedra, a raiz, rápido, lento… BIS”

 

Hong Kong é um tesouro de natureza. Oferece-nos as melhores vistas como resultado de desafios de persistência e de uma boa condição física, com o bónus de podermos usufruir de um verde denso embutido numa bolha de humidade com cheiro a vida.

 

Depois de um hike agradável, conheci a zona costeira e comercial de Sai Kung. Uma bonita marginal, com uma sequencia invariável de restaurantes de marisco. O marisco (como qualquer outro animal comestível por aqui) apresenta-se vivo ao cliente e depois de comprado ao peso, é cozinhado da forma que nos agrada.

 

O critério de seleção do restaurante acabou por ser a qualidade da agua dos viveiros.

Uma tarde quente, com uma brisa envolvente e carinhosa, confortável que me relaxou… a ver a vida passar e com o mar em pano de fundo.

A companhia completou o cenário e faz do momento, um momento especial.

 

A parte de chegar a casa, tomar um banho que me massajou, abrir um vinho e entregar-me sem remorsos a bons queijos e a um chouriço português e ver uma boa serie... fechou um sábado doce e perfeito!

publicado às 14:24

STEP MAD + GASTON = Not for me!

por parasergrandeseinteiro, em 11.10.13

Por mim, idealmente, todos os dias trabalhava, fazia desporto, passeava e tinha boas conversas, fazia a minha sessão de higiene/maquilhagem/desmaquilhagem (que quem me conhece sabe que me toma um tempo significativo, mas que eu adoro por ser um tempo dedicado a mimar-me), cozinhava, escrevia, lia as noticias e/ou um livro, via uma serie e dormia 8 horas…

Como uma pessoa passa graaaande parte do seu dia no trabalho (e a trabalhar LOL) torna-se difícil (Impossível!) conseguir conciliar todos estes requisitos, na minha opinião, ideais para uma vida feliz e equilibrada!

Pois bem, de forma a libertar um pouco o meu serão, ando a tentar ir ao ginásio à hora de almoço. Tenho-vos a dizer que isto requer uma logística incrível e todos os passos têm que estar perfeitamente alinhados, porque basta os chinelos estarem no fundo da mala já me faz perder 30 segundos não planeados!

Hoje experimentei uma aula de: STEP MAD

Ohhh! Olhei para o nome… Canja, quantos milhares de aulas de step. Bodystep, PowerStep fiz eu? Bora lá equipa!
...


Difícil será descrever o que é realmente STEP MAD…
-Segundo a informação disponível no sitio da web do ginásio:

STEP MAD:

“Maximum Attitude Dance! A continuous fusion of 21stcentury Step and dance that is full of energy. Great music and lots of rhythm. An exhilarating and challenging workout!”

"Dança com máxima atitude! Uma fusão do STEP do século 21 e de dança cheia de energia, muita música e muito ritmo. Um treino estimulante e desafiador! "

- Segundo a minha descrição e experiência: Máxima má disposição tais são as voltas, voltinhas e reviravoltas que se dão. Frustração por não apanhar a coreografia, ou devo-lhe chamar descarga exagerada de energia com gestos bruscos e ultra-rápidos com braços no chão pernas no ar, e troca!, vira!, salta!, estica! e vai e vem! e troca a perna (a outra!)...… e não sei!?

Como sou uma mulher de não perder tempo.

Não gosto! Fico aborrecida se me fazem perder tempo só porque sim…

Achei que uma boa forma de aproveitar o tempo que ali estava (pronto desisti da aula! mas permaneci no espaço da mesma) foi começar a fazer as minhas próprias coreografias, saltos, elevações de joelhos, de braços e tudo o que achava que me fazia gastar energia eficientemente e que me recordava das anteriores experiencias de STEP. Só queria o espaço, o espelho e a musica. Ignorei o professor!

No final o rapazinho-professor Gaston veio-me perguntar se era a minha primeira vez e se  tinha tido dificuldades com a minha adaptação à aula. Ao que respondi: Não!!! (ACHA MESMO?) está tudo bem! Só tive dificuldade em apanhar a coreografia completa, mas isso vai lá com o tempo. 

Ele achou-me um E.T. (so what?) e eu sai de lá super bem disposta e fui-me a rir para o chuveiro.

STEP MAD!? Deves… Espera aí que já vou outra vez!

A minha querida mãe dir-me-ia: Ai filha, és tão maluca!

publicado às 07:58

Cucu!

por parasergrandeseinteiro, em 11.10.13

Há um tempo que não alimento este meu cantinho.

Ideias não me faltam, vontade também não e confesso que tenho pena de deixar o tempo passar e não "depositar" aqui algumas experiências, vivências e estados de espírito que gostaria de registar.

Vou tentar “apanhar este comboio”!

 

Vários fatores têm contribuído para esta ausência: não só a falta de tempo mas tenho tido outras prioridades e vou deixando passar.

Como não o faço por obrigação vou-me “perdoando”.

Boa notícia: quero contrariar esta tendência!

 

Hoje por exemplo pus uma carta no correio para os meus avós. Sabendo que não é tão fácil para eles acederem à Internet, receber uma carta escrita à mão por mim com fotos, de varias de momentos que quero partilhar com eles, vai com certeza fazê-los sentir um pouco mais perto.

Privar-me deste “restante” tempo deles faz-me pensar como a vida é mesmo definida por escolhas e algumas mais difíceis de aceitar!

 

Só de pensar que provavelmente vão ler as minhas cartas dias seguidos repetidamente, sempre à procura de um pormenor que não apanharam no dia anterior, da vontade de lhes escrever todas as semanas! :)

publicado às 03:02

O meu maior (e mais digno) projeto!

por parasergrandeseinteiro, em 13.09.13

(foto de João P. A. L. C. Gomes)

Há uns tempos achei que a forma de viver a ansiada felicidade era, mal comparado, percorrer mentalmente a check list e, pelo menos, uma boa percentagem de pontos chaves confirmarem-se realizados.

Agora não sei o que acho, mas estou longe dessa ideia.

 

Há muitas formas de me sentir feliz, algumas ainda não as descobri. Olha que bom!

Mesmo a tristeza que nos invade inevitavelmente nas mais diversas fases da vida, e pelas mais variadas razões (muitas vezes por fatalidades) merece poder ter varias perspetivas. É aí que entra o nosso “trabalho”!

É tão mais importante sentir o momento e o estado de espírito presente, do que me reger por conclusões finais. Passar com inconsciência pelo presente para depois avaliar o passado?  Não será preciso chegar ao final de um dia para perceber que foi um dia feliz. 

O tal “balanço final” prende-me, subtilmente, a preconceitos e a avaliações muito restritas e básicas. E já nada mudará…

Olhar atentamente ao que nos rodeia, sentir o presente e deixar o passado para trás ou o possível futuro vir como “ele” quiser… tão difícil, mas tão grandioso de se conseguir!

Ando-me a sentir feliz, abençoada por uma paz de espírito, tranquila e com vontade de ser sempre melhor. É a melhor forma de agradecermos o BOM que temos. Tudo é uma questão de perspetiva e aqui dentro há tanto que merece a minha melhor dedicação!

E as coisas mais bonitas acontecem…  e sempre acontecerão!

 

Zee Avi – Monte: http://www.youtube.com/watch?v=TXIeXKu69KE 

publicado às 07:40

Gestões

por parasergrandeseinteiro, em 23.08.13

Os cheiros, as musicas, eventualmente os sabores, podem ter um efeito invasivo (significativo).

Têm o poder de ir buscar lembranças/ sensações / estados de espírito que aparentemente estavam esquecidos. Às vezes não são necessariamente confortáveis. Levantam o pó em divisões abandonadas da nossa mente… como se tivéssemos, em tempo, fechado uma porta à chave e ignorássemos a sua existência. Na altura, provavelmente, foi melhor assim.

 

Sempre que tenho essa sensação procuro “mexer” e encarar o desconforto de frente, é a melhor forma de o resolver. Não é agradável, mas dá resultado. Se não for imediato, terá o seu tempo… Até porque se nos predispusermos a isso, é porque estamos motivados para encarar a situação.

 

Ando em preparação psicológica, sem pressão, para escrever um livro.

Há muito que o imagino, sei sobre o que quero escrever. Mas para chegar onde quero vou ter que revirar “aqui a estrutura” e isso não e fácil. Requer alguma coragem.

publicado às 09:45

Era uma vez...

por parasergrandeseinteiro, em 01.08.13

Uma menina que queria muito um amaciador de uma marca brasileira.

Porque?

Porque queria...

E não há em HK?

Não! Teve que mandar vir dos EUA. Em HK há de tudo menos esta marca!

Pronto... pediu a embalagem maior: 60 Oz, e já que estava a encomendar uma, pediu logo duas embalagens...

Os portes de envio atingiram uma valor inarrável, mas como a menina queria mesmo o amaciador, encomendou!

E ao menos tinha noção a quantos Kg equivalem 60 Oz?

Não! Só percebeu quando recebeu em Hong Kong, mais precisamente na empresa, 3400 g de amaciador! 

 

 

60 Oz = 1700 g

Pronto, se há coisa que não faltará é amaciador para mim e para os amigos!

(Brutinha)

publicado às 10:59

Porque sim

por parasergrandeseinteiro, em 19.07.13

Dou por mim, como tantos outros mais, a tentar perceber e a “escavar”, às vezes com muita forca, no porquê?. Faço “malabarismos” de lógica incríveis. A minha cabeça parece o kamassutra das explicações possíveis.

Aquela “campanha” ao Porque não ou Porque sim não são resposta, já foi menos valida para mim.

 

Ora bem… fazer planos, ter motivações e porque não ambições? faz parte e tem a sua inquestionável importância, mas inteligentemente vou entendendo que não poderão ser essas metas que talham a minha felicidade…

Há uma “mão cheia de coisas” que para mim fazem sentido, que desejo, mas não acontecem… e agora? Para quê tentar confortar-me com explicações, muitas vezes frustrantes, que depois de algum esforço mental para não me sentir "tão mal" com as minhas “não conquistas”, fragilidades e/ou necessidades, sinto simplesmente a menosprezar-me.

Não há um “-porque…” direto!

 

Sentir as coisas como são…Molhar os pés na chuva quente, andar no meio de multidões que não nos vêem, conhecer um tudo e ao mesmo tempo um nada, ter a certeza que cada um dá apenas o que quer ou o que pode/ sabe, sentir a vida sem porquês, nem teorias... e se for necessário espreitar o temido “buraco”.

Racionalizar e lamentar muitas vezes são uma perda de tempo. Ter a capacidade de tranquilamente não esperar pelo amanha e não questionar o agora. O presente vira passado, e o futuro presente por si só.

 

Eu acredito que a verdadeira felicidade é partilhada, seja em que circunstancias for, de outra forma não me faz o mesmo sentido… (E maravilhoso estar perante uma paisagem linda. Sozinho é bom, mas melhor ainda é senti-la com alguém).

 

Porquê? Porque sim. E não vou pensar “nisso”!

publicado às 02:45

Tenho andado desaparecida…

por parasergrandeseinteiro, em 15.07.13

 

Eu não alimento o meu blog como uma obrigação, nem o farei sob pena de perder o prazer que tenho em fazê-lo. Escrevo para mim e tenho muito gosto em partilhar com quem gosto e tem gosto em me seguir.

 

Andei em “festa cigana” desde o final do meu martírio. Deu direito a dormir pouco, trocar horários e fazer alguns "saudáveis(????)" abusos.

 

Mas sabe tão bem acordar e sentir que o meu tempo livre, é mesmo livre…. Poderei fazer o que quiser! (mesmo com dor de cabeça LOL)

 

Por ora, tenho mil interesses e curiosidades para satisfazer. Sinto que cheguei a Hong Kong há 5 dias atrás.

 

Um beijo e um grande abraço a todos vocês que se fazem sentir ao meu lado todo este tempo!!!!

publicado às 02:29

Agora é que foi!

por parasergrandeseinteiro, em 10.07.13

E assim chegou ao fim uma luta de 770 dias, onde cresci muito e tentei ser uma pessoa melhor e mais eficiente. Mudei de funções profissionais, terminei uma relação, fui submetida a uma operação major ao coração, mudei de país, continente, de funções profissionais (de novo), de empresa... e espero ter terminado este magnifico e, simultaneamente, doloroso curso.

Desde que cheguei a HK: 

Teleconferências com colegas de York sujeitos a uma diferença horária anedótica, livros e livros, artigos e ainda mais não sei o que. 

A preocupação de cumprir prazos, atacar várias frentes e perceber o que era realmente necessário para os "pratos nao caírem".

Gerir as pressões do novo trabalho, novos e desconhecidos desafios, cultura diferente e terminar esta etapa final.

Dizer "não" a quase tudo o que me poderia ajudar a equilibrar nesta fase de adaptação.

Não foi fácil e por enquanto "não quero brincar mais" a isto.

 

 

 

Uma semana de exame, onde a gestão de tempo e de stress foi crucial.

Tive muita sorte, porque com o apoio da família, amigos de sempre e pessoas maravilhosas que conheci cá (não me esquecerei da sua preocupaçãoe carinho) foi mais fácil.

E caramba!!! tinha mais era que "mergulhar" e dar o meu melhor.

Venha o resultado... a recompensa já a tenho: consciência tranquila por ter feito o melhor que sei!

 

 

Não preciso dos "louros" ou orgulhos. Quero apenas nunca me esquecer que mesmo na adversidade manter a cabeça e o espírito saudáveis, faz-nos ter força... A vida não é fácil e por isso mesmo temos que aprender a viver da melhor forma. Se possível, FELIZES!!!

publicado às 07:54

E lá se vai andando, com a cabeça entre as orelhas!

por parasergrandeseinteiro, em 24.06.13

Arrumar a tristeza. Desfazer a incerteza e transforma-la nas minhas certezas.

Admitir que pior que perder é não viver, amar ou até mesmo sofrer.

Ignorar os pensamentos “apertados”, desconfortáveis, que me alteram a frequência respiratória em qualquer altura e qualquer lugar, que me contorcem a alma ao adormecer. Frear as tentativas romantizadas da minha mente contornar as dúvidas, irreais, que me transportam para um campo de guerra comigo mesma.

Só deixar andar, não dar Essa importância. Tomar conta e educar-me!

Acho que a isto se chama crescer e aceitar a vida como ela é. E com isso saber viver feliz e em paz.

 

publicado às 03:04

O meu cabelo tem vida própria!!!!

por parasergrandeseinteiro, em 21.06.13

Não percebi ainda, se é por causa do clima ou se simplesmente tem vida própria.. Mas já por varias vezes acordei assim... e não baixa!!!

Electricidade estática.

publicado às 07:13

Hoje deu-me para isto

por parasergrandeseinteiro, em 18.06.13

Há prazeres, experiências ou sensações que nunca tive e que gostaria de ter. E outros que tenho às vezes e os sinto como uma verdadeira bênção. Uma vida não deve chegar para tudo o que me ocorre diariamente!

Mas é importante ter esta noção, há sempre coisas maravilhosas e que nos podem fazer sentir bem, completos e cheios!

Pintar um quadro, contar ‘boas’ historias, tanto livro bom para ler, filmes que entram de rompante na nossa vida e mudam qualquer coisa subtilmente, compor uma canção, tocar violino prodigiosamente para uma sala cheia de apreciadores e na sintonia dos disciplinados e fortes aplausos ouvir um “BRAVO”, ser DJ e naquela boa disposição que só o álcool dá (pelo menos que eu conheça) ver um manancial de gente a CURTIR a brava, dançar tango ardentemente com aquela pessoa, retribuir um sorriso cá de dentro gratuitamente, conversar com pessoas Admiráveis (eu aqui tenho uma lista mental interminável, alguns já não estão entre nos… Eugénio de Andrade, Eunice Munhoz, Júlio Machado Vaz, Simone de Oliveira, António Lobo Antunes, António Variações, Sócrates (o filosofo), Nietzsche, Salvador Dali...)… Ui, não acaba e entra um pouco pelo surreal a dentro! Mas penso nisso.

Para estarmos recetivos a estas boas sensações temos que estar disponíveis para as abraçar, ter tempo para as concretizar, força de vontade para as atingir… e tudo isto não e fácil. A nossa mente é sinuosa e só nos deixa ‘ver’ e ‘atingir’ aquilo que “quer” e temos que ser Maiores para lhe darmos a volta!

 

Bem, vou estudar...

publicado às 13:21

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas

por parasergrandeseinteiro, em 11.06.13

Dia do meu cantinho a beira mar plantado!

 

 

Mentiria se dissesse que ontem não pensei no meu pais com alguma nostalgia, saudade, e questionasse a minha ausência. Claro! São reflexões diárias, “ajustes de contas” interiores!

 

Não só porque é dia de Portugal, não porque me arrependa de alguma forma da minha mudança, tenho bem estabelecidas as minhas motivações, mas realmente amo o meu pais, sinto a falta dos dias luminosos e secos, da marginal cheia de barquinhos, da costa alentejana com o contraste de cores mais bonito do mundo, do Algarve… e claro, das minhas pessoas.

 

Ao percorrer as redes sociais, noticias online, vejo imagens e sinto o espírito dos santos. É impossível não imaginar o cheiro a sardinha, o manjerico, a cervejola na mão, as marchas…Tenho saudades das gargalhadas partilhadas numa noite quente de copos, com amigos, em Lisboa!

 

Viva o Santo António viva o São João, viva o dez de Junho e a restauração!

publicado às 02:43

Caramba, se dói…!

por parasergrandeseinteiro, em 29.05.13

Acho que é da natureza do ser humano ter tendência (e algum cobarde prazer e autocomiseração) em “lamber feridas”.

Há algum mal nisto?

Para mim não, de qualquer forma sei que não posso eternizar esta fase e vou-me perdoando mas ciente de que a coisa tem que evoluir.

Choro quando me apetece e ainda são bastantes vezes, embora haja alturas desadequadas mas não tenha dado para controlar…

 

Sinto muitas saudades todos os dias. Não de uma realidade que tenha realmente existido ou de um passado, mas em algo que acreditei e no que senti. Parecia-me tão bonito! Sinto falta da felicidade em que me embebi, naquilo que acreditei, de partilhar, de amar e tantas mais coisas... como partilhar uma manta no sofá a ver um filme. Ainda sonho e acordo no passado. Gostava de não ter a opinião que tenho hoje. Mas é assim… E estas são as regras hoje. Tenho que as aceitar!

 

Hoje é assim, amanha será melhor, depois melhor ainda. Pode vir (e virá) um dia mais cinzento de novo… mas os dias nunca são iguais. E vai haver um dia em que já não dói.

 

Ontem tive a minha primeira apresentação para os 20 pessoas na empresa. Foi uma ETAPA, foi a primeira vez, em inglês, percebi que correu bem mas há muito a melhorar, em termos de fluência de inglês, de cultura e conhecimento do negocio. No fim do dia a minha chefe chamou-me, elogiou-me e fez-me criticas construtivas (que largamente apreciei) e voltou a tocar no assunto do meu marido em Macau e como deve ser difícil para mim estar cá sozinha durante a semana… (Pensei, é agora!)

De um jeito (inicialmente) adequado expliquei-lhe que eu e o meu marido não estávamos juntos, que realmente o “driver” e/ou a minha motivação para a minha mudança foi vir acompanha-lo, mas que a situação já não era essa e que achava correto pô-la a par (ate porque dispenso os comentários constantes de que vim acompanhar o meu marido). Perfeito, ponto final na historia. Tudo estaria bem se não me tivesse desmanchado a chorar, e a repetir constantemente que estava bem… A cara da senhora era de perplexidade. E só me conseguiu dizer que ficava extremamente preocupada de eu estar aqui sozinha numa cidade tão grande, com um emprego novo e numa cultura tão diferente. (Tinha uma legenda na testa a dizer: Ai meu Deus, o que fizeste a tua vida?)

 

Bem!, confesso que os argumentos para a sua preocupação para mim não são assustadores nem um obstáculo, fiquei realmente preocupada com a minha emotividade a frente da minha chefe de 3 semanas, chinesa… Há realmente diferenças culturais entre nos!

 

Agora tenho mais uma prova de fogo, mostrar-lhe que apesar de estar frágil, aguento o tranco! Sou emotiva, europeia, latina e um pouco louca! Mas quero trabalhar, e bem!

 

Espetacular!!! Chorar em frente a um chefe chines… Ai, ATCG só tu!

 

Mas é assim, choro e chorarei enquanto for essa a necessidade, e porque é bom deitar cá para fora… mas pode ser longe do contexto profissional!

 

Diz-se e muito bem: "quem não se sente, não é filho de boa gente" e os meus pais são maravilhosos, ai esta o porque desta lamuria toda! LOL

 

Medidas para melhorar o meu inglês BRITISH, oiço aulas de inglês no caminho de casa-trabalho-casa. Escrevo tudo o que tenho que fazer em inglês e traduzo os meus pensamentos e quando não sei vou procurar a  . Radio, Tv e afins... Just in English! Vamos la ver se isto não vai ficar Perfect! 

 

Partilho uma musica maravilhosa, sugerida por uma pessoa maravilhosa para mim (obrigada querida MA):

http://www.youtube.com/watch?v=wwANr0kbQnw

 

"Saudade, vá entra a vontade
porque já esperava que fosses voltar
com esses teus olhos tão verdes
falando de pressa para me atentar

(...)e dá-me notícias que trazes de alguém
passado porque tudo passa
e até tu saudade vais passar também

Não há dois dias nunca iguais
eu quero viver cada dia como nunca mais
(...)


É bem possível que amanhã
ainda me peças para voltar atrás
mas ouve o que passou, passou
nada se repete para mim tanto faz

(...)

É bem possível que outro amor
cresçam em mim em flor da cor do jardim
o improvável acontece
e até tu saudade vai chegar ao fim

(...)" 

publicado às 04:24

Eu gostava de jantar com...

por parasergrandeseinteiro, em 24.05.13

Hoje, o fim de mais um dia… gostava de jantar com o António Variações.

 

Eu nasci e cresci com um encanto de gostar muito de gostar de ‘coisas boas’, de rir, de dizer o que sinto principalmente quando é bom, ou guardar simplesmente para mim e repousar no conforto ameno e com cheiro a canela que isso me dá.

 

Hoje! o fim de mais um dia, em que: …Não gosto, não quero e não vou deixar que alivies o que sentes ou pensas com a tua suposta compaixão e comportamento tão correto mas sempre vazio, não enquanto isso me doer… comportamento para mim muito pouco louvável e a ‘dar um encosto’ no egoísmo.

Cuidado! As vezes não fazemos as coisas pelos outros, mas para não nos sentirmos mal. E a distância, e a higiene de emoções são o caminho a seguir!

 

Liberta-te disso, já não se usa. Não quiseste, não soubeste ou sei lá o que… e ainda não queres. Ou sabes lá tu o que queres. Tão perigoso… Mensagens cheias de nada… guarda-as para ti.

 

O grande António Variações, ‘diz’ algo tão bonito e verdadeiro como:

“Vem que o amor não é o tempo, nem o tempo que o faz.

Vem que amor é o momento em que eu me dou, em que te das

 

Faz todo o sentido. Só quero perto de mim quem queira a aventura dos sentidos, quem tenha a ousadia de se ver, que chore e ria quando assim tiver que ser. que corra atrás do que sente, que saiba o que sente ou o que quer sentir. "Quero ter a minha mão aberta a espera de se fechar, numa mão deserta…"

 

E por favor, não faças mais das tuas limitações os meus defeitos! porque isso dói... ainda!

(partilho uma intrepetação maravilhosa de Tiago Bettencourt da canção do engate de António Varições)

publicado às 11:20

Quantos cabelos tenho?

por parasergrandeseinteiro, em 18.05.13

A quantidade de cabelo que me cai em determinadas alturas do ano, é no mínimo assustadora.

Mas continuo com imenso cabelo (Thanks God)

 

Afinal quantos fios de cabelos tenho na cabeça?
Há anos que o chão onde habito tem que ser aspirado numa frequência diária... para evitar "tropeções"! Tal é a quantidade de cabelo que me cai! (Odeio ver o meu chão de casa com cabelos).


Segundo a minha pesquisa o número de fios de cabelo depende da idade:

Os recém-nascidos tem de 100000 a 150000 folículos no couro cabeludo.
Entre 20 e 30 anos, a cabeça humana tem, em média, 615 fios por centímetro quadrado — 150000 fios, aproximadamente (pensei que seriam mais).
Dos 30 aos 50, o número diminui para 485 fios e vai diminuindo lentamente.
Um octogenário saudável tem 435 raízes por centímetro quadrado. Claro que esta situação não é valido para os carecas.
Cada folículo piloso produz um fio. Os folículos não desaparecem com a idade, apenas cessam a produção de cabelos.

Já agora partilho, o tamanho (para mim absurdo) do cano do meu aspirador. E o fio elétrico dá para fazer um casacão para o Inverno!

(É muito interessante dar conta que a dimensão das coisas por estes lados. Tudo é diferente: janelas, portas...)

Vou aspirar!!!!

publicado às 09:17

Para mim poderão ser todos os dias,

por parasergrandeseinteiro, em 05.05.13

Para mim poderão ser todos os dias, o dia da Mãe! Mas hoje quero dedicá-lo inteiramente e somente a ti.

Obrigada pelo teu amor, pelo teu carinho em todas as alturas, pelos teus beijinhos, pelo teu abraço, pelo teu incondicional apoio… Que sorte…. Eu tenho por te ter como mãe.

Amo-te sempre e para sempre minha Mimi

publicado às 05:05

A minha casinha de bonecas

por parasergrandeseinteiro, em 05.05.13

Já começa a ter um pouco do meu gosto, do meu cheiro... Já a começo a sentir como um lar!

Apresento-vos o meu ninho de 32m2:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Espero ser muito feliz neste cantinho cheio de boa energia!

publicado às 04:22


Mais sobre mim

foto do autor




Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Março 2016

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031