Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Um dia supimpa!

por parasergrandeseinteiro, em 28.01.14

Já por cá apanhamos uma valente constipação. Eu abri as hostes e de seguida tive a amabilidade de partilhar a minha bicheza. Sorte tive eu de contaminar o J nos intervalos de mergulhos, se não teria sido chacinada.

Pessoal doente não mergulha!

Acho que foi no Monto Bromo devido ao excesso de sol e frio, e deu nisto. Vim preparada para calor, não para frio de rachar.

 

A mim ainda não me passou totalmente esta carraspana e ultimamente tenho sentido o corpo dorido, dor de cabeça, algumas irregularidades gastrointestinais... O suficiente para o J estar com preocupações mais elaboradas.

Eu(nós) fui(fomos) muito picada(os) por mosquitos, mas a ilha de Bali não está numa zona de risco elevado de malária e estaremos atentos.

 

Ontem chegamos a Padang Bai. Um destino de mergulho, e rezam os guias que tem uma praia de areia branca. Como o J ia mergulhar pareceu-me uma possibilidade interessante para mim.

 

Depois de uma noite mal dormida porque me senti mal, acordei cedinho pata tomar o pequeno almoço com o J, antes de sair para mergulhar o dia todo.

Fiz-me à estrada em busca da dita praia.

Não acertei logo no caminho e debaixo de um calor tórrido enganar-me no caminho, chegar aortas sem saída estava a piorar a minha disposição. Só queria uma sombra. Subi, desci, curvei...

 

E cheguei lá. Um paraíso!

 

 

 

A única turista na praia.

 

 

Os Indonésios, bem como a maioria dos locais do sudoeste asiático não apreciam banhos de sol. Por isso as únicas pessoas a pisar aquela areia e com acesso aquele mar cristalino era eu e meia dúzia de locais ansiosos por me venderem sumos de fruta naturais, panquecas, massagens...

 

 

Tive um dia maravilhoso.

Conversei muito com eles.

 

Uma jovem de 28 anos, com os seus 3 filhos, que me fazia massagens e me contava as suas preocupações com as crianças e marido que trabalha no mar.

 

 

 

Um rapaz, o Gde, de 26 anos que partilhou comigo durante horas os seus conhecimentos sobre vários países da Europa, na esperança que lhe ensinasse mais uma quantas coisas e enquanto isso treinava o seu inglês.

 

 

Dizia-me ele que se apaixonou por uma Finlandesa e que o seu sonho é ir viver para lá. Fiz uma pausa, olhei em frente para aquele mar fabuloso, baixei os olhos e vi os seus pés negros empoeirados de areia e descalços...

E disse-lhe: não conseguirias viver nem 3 horas na Finlândia.

Ele riu-se e perguntou-me o porque?

Respondi-lhe estão lá -10oC, é sempre de noite, as pessoas não sorriem, não abraçam e não dizem Bom-dia como aqui. E não há este mar, com esta cor.

Ele faz um olhar confuso, e respondeu, mas aqui também só há isto e é sempre assim.

Eu percebi-o. Tudo na vida é relativo.

 

Eu sei que é muito difícil para um Indonésio sair daqui.

E o Gde nunca saiu de Bali. Mas disse-lhe Então vai!

 

Às vezes temos que ir para voltar e saber o que temos. Que é tudo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:01



Mais sobre mim

foto do autor





Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Janeiro 2014

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031






eXTReMe Tracker