Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




...

por parasergrandeseinteiro, em 13.09.14

 

 

Dou-me conta de como o tempo passou desde que cheguei a Melbourne. Não interessam os meses que são na realidade mas sim o que os preencheu.
Muitas etapas se ultrapassaram. Problemas que ganharam a importância a que tinham direito ‘naquele’ momento e se resolveram ou passaram simplesmente a fazer parte.
Dou-me também conta de como a vida é cheia de conquistas (e perdas), vivências, aprendizagens de mil naturezas... e o que interessa no fundo?

Estou num país muito longe de onde originalmente sou, estou com os pés voltados para Portugal, longe de tudo o que aprendi a ser-me familiar, sem o dia-a-dia com a minha família e amigos, privada das comidas que me fizeram crescer e que são a minha referencia, com uma barreira linguística ainda muito significativa. Podemos falar tudo numa língua mas as piadas e trocadilhos ficam muito aquém do que poderiam ser na nossa língua original, e isso dêem-se as voltas que quisermos é uma barreira social. Melhorará sempre, mas ate lá só me resta resiliência e saber relativizar.
Sou uma pessoa caracterizada pela espontaneidade, e custa mais a ser quem sou noutra língua mas... consigo sempre. 
Sei perfeitamente, porque farei por isso e por relatos de amigos em idêntica situação, que só o tempo o resolverá.

Procurar casa, procurar trabalho, perceber os transportes, sistema de saúde, vistos, fazer conhecidos e depois amigos, adaptar-me a ter o Inverno no Verão, conduzir do lado contrario, acordar quando a minha avo vai dormir...
Por outro lado, honra seja feita há natureza maravilhosa que me sorri todos os dias, pássaros coloridos, ar puro, jardins cheios de flores e muito bem cuidados, cangurus que amo de paixão, uma costa maravilhosa, mar a porta de casa, pessoas simpáticas e amáveis, o por do sol mais bonito que ja vi, uma boa vida no geral... A Austrália é um sitio fantástico para se viver.

E o que interessa realmente?

Para mim: ser feliz com o que tenho. O mais possível, e na maioria das vezes consigo.
Os obstáculos existem (sempre) em qualquer lado. Há muitas coisas que pesam, questões (residuais) que não se resolvem e fazem parte de nos. É um processo de balanço.
Mas se tivesse que escolher, voltaria a fazer tudo igual, ciente do "preço" da distancia. Esse instalou-se na minha consciência, não somos “amigos” mas convivemos os dois.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:57



Mais sobre mim

foto do autor





Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Setembro 2014

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930






eXTReMe Tracker