Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




o (DES)apego

por parasergrandeseinteiro, em 02.11.13

 

Adoro proteger-me com o meu sentido de humor.

Talvez seja só isso mesmo, uma defesa. Mas já me ri muito com o que me faz chorar.

Ah! E rio-me de mim com muita frequência. Não me considero uma ”palhaça” mas acho-me piada.

 

Costumo dizer que por vezes a vida parece os “100m barreira”, mas eu não salto nem uma e PUMBA lá vai mais uma queda e de boca… Caramba! E às vezes aleija.

 

Um dos meus maiores desafios de vida (sem duvida!) é perceber o que é isso do ”apego”?

 

A primeira vez que me vi de frente com esta questão, foi há cerca (sensivelmente mais) de um ano por uma Senhora que muito me ensinou, e mais admiro ainda, que me deixou esta questão no ar! Desde então tenho refletido muito sobre o assunto! 

O apego. É complexo! Tem ramificações e complexidades pouco claras, sendo difíceis de decifrar… (Eu tenho “dissecado” o assunto aqui dentro lentamente). Tinha uma ideia mas só me apercebi da real dimensão das suas ramificações quando me meti ao caminho.

 

O apego cria-se com pessoas, animais, crenças, sentimentos, locais, memórias…

Pode-se manifestar de forma saudável, leve, tranquila, livre. Ou é facilmente transformado em algo sombrio, viciante, pesado, doloroso, tóxico…

O apego é um laço. Uma conexão. Um vínculo.

 

Ligações que provocam uma determinada emoção.

Uma necessidade (por vezes desesperada) que essa ligação permaneça para que essa emoção se perpetue.

Quando provamos, gostamos e queremos mais.

Quando associamos o sentir a algo.

Quando esse sentimento passa a ser um substantivo, um nome, qualquer coisa. Neste sentido é dependência.

É um gatilho!

 

Mas a verdadeira armadilha reside neste pormenor. De tão bem nos sentirmos, começamos a pensar: Ter é bom. Não ter é mau.

A posse, o desespero da privação, o medo da falta…

Aí Já não há amor, mas apego. O apego estraga… mata relações.

O apego é egoísta e destrutivo.

 

Infelizmente, com mais frequência que o desejável, associa-se o gostar ao apego: “preciso de ti”! Sentindo que o apego é recíproco, combate-se a solidão, sente-se a aprovação, validação e até a aceitação. …”O casulo. O veneno partilhado. A vampirização mútua. A cobrança.”

 

O amor verdadeiro é livre, não cobra. Quase utópico…

 

Sendo difícil de atingir este estadio, abordo o amor como… uma relação que estabeleço com o que recebo. Um negócio delicado!

Apaixono-me pelo que me oferecem, e aí há espaço para tudo: Para admirar uma boa pessoa para os outros e para nós, o saber dar e receber, o brilho dos olhos que me dirige, o “nós” ao invés do “eu”. Se isso se dissipar, esvair ou for um engano… o objeto do amor desaparece.

 

Praticar o desapego é, neste sentido, libertador.

Valorizar os verdadeiros sentimentos, não possuindo, viver a experiência do agora.

É dizer “quero que sejas feliz”, “quero dar-te”, “quero que sejas livre e voes”. É partilhar, fazer crescer. É ser incondicional. É amar a pessoa tal como a encontrei, sem a tentar mudar ou modificar.

 

Eu pretendo aprender o ”desapego” para sempre e não só agora.

 

Baseado num texto de David Nascimento

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:34



Mais sobre mim

foto do autor





Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Calendário

Novembro 2013

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930






eXTReMe Tracker